As claras

 

Toda e qualquer atividade humana, no início, requer que se promova estudos sobre a conjuntura atual, se projete cenários possíveis afim que se estabeleçam metas a serem alcançadas e meios para se atingir os objetivos. Planejamento. Na gestão da coisa pública, por se tratar de representação de um grande numero de pessoas essas necessidades passam a ser uma obrigação do dirigente, no sentido que a população contribuinte saiba o que a administração está pensando e como está utilizando os recursos financeiros.

Numa situação atípica que estamos vivendo e a sinalização que as causas pandêmicas estão sendo controlada e em breve passaremos a um quadro de normalidade das atividades sociais  e econômicas necessário se faz apresentar à sociedade como será enfrentado as sequelas dos afetados, quais os mecanismos que serão utilizados para fomentar o quadro de desemprego de aproximadamente 20% da população, quais os setores da atividade econômica terá a prioridade das intervenções no sentido de retirar da miséria absoluta milhares de famílias.

Observa-se que o setor de saúde deve acumular, no período pós pandemia, não só as questões dos traumas e das sequelas dos acometidos pelo vírus, como também, a demanda dos serviços ambulatoriais e cirúrgicos eletivos. Os serviços educacionais passarão a absorver problemas de sequência do aprendizado, ansiedade de alunos e professores e alguns casos de depressões. As unidades de saúde deverão ser buscadas por um numero maior de pessoas e por consequência busca mais acentuada de medicamentos. A merenda escolar passará a ser a principal alimentação dos alunos, cujas famílias os titulares perderam suas atividades laboral e se encontrar em situação de vulnerabilidade.

O mínimo que se espera dos poderes locais é apresentar à população planos e projetos eficazes para o enfrentamento da questão. Esses poderão ser elaborado e debatido com a sociedade organizada no sentido de receber contribuições para aprimoramento dos planos.

Que DEUS e os Orixás iluminem nossos governantes e nos protejam.

 

Adelmo Borges

Mais de