Portal reabre debate sobre escola estadual em Abrantes e assunto vira tema de discussão na Câmara

Ascom CMC

 Ascom CMC

O Portal na semana passada retomou os debates sobre a necessidade de construção de uma escola estadual em Vila de Abrantes, já que hoje os alunos do ensino médio estudam em um prédio cedido pela Prefeitura de Camaçari. E durante a 4º Sessão Ordinária realizada na última quinta-feira (19/08), na Câmara Municipal, o vereador Dr. Samuka (Cidadania) levou o tema para Casa e cobrou dos vereadores de oposição que são da base do governo estadual, que lutassem pela pauta da educação. 

O vereador pontuou que fez essa indicação ao estado assim que assumiu uma cadeira na Casa Legislativa, quando segundo ele, viu o governo anunciar mais de R$ 4 bilhões para a construção de escolas. "Lembrei logo de minha gloriosa Abrantes, que tem uma escola cedida pela Prefeitura, dica de passagem, em uma situação precária porque o estado não dá manutenção. Os vereadores da base do governo estadual estavam criticando a gestão municipal por causa das reformas das escolas e falei para eles sobre a minha indicação e que eles não reformavam nem o colégio cedido pela prefeitura, com salas superlotadas, a onde o próprio diretor teve que fazer um desmembramento, um anexo em um prédio em Catu de Abrantes, porque não comporta a quantidade de alunos, isso é uma vergonha”, disse.

Em entrevista ao site, a vice-diretora do Colégio Estadual de Vila de Abrantes (CEVA), Tereza Farias relatou as dificuldades enfrentadas por alunos e professores, devido à falta de estrutura. “Poderíamos oferecer muito mais a nossa juventude. Poderíamos permitir que eles explorassem o máximo possível as suas capacidades e potencialidades, mas infelizmente na escola a gente se sente triste em não poder ofertar o melhor em função da estrutura física.  Nós temos uma equipe maravilhosa de profissionais, de professores, de estudantes brilhantes que veem para a escola com saberes e capacidades, que as vezes não conseguimos acolher porque não temos um espaço adequado para a prática esportiva e para iniciação cientifica. Temos 15 salas de aulas lotadas e quando tiramos essas salas e o pátio da escola, não temos mais nada a oferecer. Não temos um laboratório de ciência da natureza, não temos uma quadra para a prática esportiva, então entendemos que é muito legítima essa briga por um prédio escolar que de fato atenda aquilo que o jovem morador de Vila de Abrantes merece e precisa. Ficamos indignados de sermos o maior distrito da orla, com uma escola com dois mil jovens, adultos e idosos, e não fomos ainda contemplados com um prédio escolar que atenda as reais necessidades dos estudantes.”

O Portal desde outras gestões, vem levantando o debate sobre a necessidade de ampliar a estrutura física do CEVA, bem como a construção de espaços para a inclusão de outras atividades na grade curricular. Ao externar essas demandas para Dr. Samuka, o parlamentar chamou a atenção para “a inercia do estado” em relação a uma educação de qualidade para os alunos do ensino médio, que estão se preparando para o ensino superior e o mercado de trabalho. “O estado tem diretrizes pedagógicas que eu não entendo. Aquela escola em Abrantes não tem um laboratório, não tem um ginásio de esporte, e em outros lugares têm e porque fazer essa distinção com o povo de Abrantes? Fiz questão de trazer isso à tona porque nós temos no estado um secretário de relações institucionais que já foi gestor por vários anos aqui em Camaçari [Luiz Caetano]. Levou várias escolas como deputado para o estado da Bahia, para outros distritos aqui, mas nunca contemplou Abrantes.”

Buscamos ouvir também os vereadores de oposição e em conversa com Tagner (PT), apresentamos as necessidades da unidade e o edis garantiu que vai abrir a discussão com o estado, envolvendo o secretário de relações institucionais, Luiz Caetano. “Vamos levar essa indicação ao governo para incluir o colégio de Abrantes no processo de reconstrução. O governo Rui vai entregar agora três novas escolas em Barra do Pojuca, Arembepe e Monte Gordo, e está tendo a reforma das escolas estaduais da sede. Penso que se a gente se organizar o mais rápido possível, envolvendo a Câmara, sociedade, conselho escolar e a direção da escola, onde vou até tentar fazer uma visita, pra gente fazer essa articulação ao professor Gerônimo, secretário estadual de educação, que é aberto e sensível, é um compromisso que eu faço com o Portal.”

O vereador Dentinho do Sindicato (PT) parabenizou o Portal por levantar a discussão de forma transparente e ouvindo todos os envolvidos no processo. “O governador Rui Costa é sensível com isso, tanto que estamos ganhando três colégios do estado, mas isso não quer dizer que Abrantes não precise de uma escola, é um distrito que daqui a pouco pode se tornar um município, e de fato precisa de uma colégio. Mas devemos registrar que fizemos um convite ao vereador Dr. Samuka para levar essa pauta para o governador, e vale lembrar que Arembepe é Vila de Abrantes, mas entendo que isso não justifica não ter outra escola do ensino médio.”  

A crise econômica trazida com a pandemia da Covid-19, que resultou no fechamento de escolas particulares e/ou na saída dos alunos das unidades privadas por conta do desemprego de seus pais, aumentou a procura por colégios estaduais. Com os protocolos sanitários de distanciamento social, as salas lotadas do CEVA tem dificultado o trabalho dos educadores, mesmo com o escalonamento.

O Portal vai continuar defendendo a conquista de um prédio próprio para o CEVA por constatar a grande demanda. 

Link da primeira matéria sobre a retomada do tema:

https://www.portalabrantes.com.br/municipio/24595-CEVA-se-prepara-para-retorno-das-aulas-presenciais-e-sonha-com-um-predio-proprio

.

  

Mais de Política