Professora Angélica avalia positivamente semestre de trabalho em seu primeiro mandato na Câmara de Camaçari

 

“Ninguém segura, uma mulher segura”, essa frase foi dita pela vereadora Professora Angélica (PP) em entrevista ao Portal Abrantes, na última terça-feira (08/06), durante a 20º Sessão Ordinária. Com determinação e força de vontade, a educadora conquistou uma cadeira na Câmara Municipal de Camaçari, em sua primeira candidatura a uma vaga na Casa Legislativa.  

Nascida no interior do município de São Sebastião do Passé, a vereadora Professora Angélica, 51 anos e mãe de três filhos, relatou as dificuldades que enfrentou quando criança, até iniciar na carreira educacional. “Eu lembro que para minha mãe cozinhar eu andava três quilômetros carregando lenha e água. Trabalhei na área da limpeza na Escola D. Pedro, e quando saí recebi três mesas e três cadeiras, onde montei minha primeira banca. Fiz então um voto com Deus que cada vez que essa banquinha fosse crescendo eu doaria uma parte dos lucros para a comunidade, e isso está sendo feito. Hoje temos um CEB na sede e um em Vila de Abrantes, onde também tem uma escola comunitária, uma casa comunitária para mulheres e onde queremos também abrir um restaurante de menor preço para a comunidade”.

Com 937 votos, a educadora conquistou uma cadeira na Casa Legislativa em sua primeira eleição para vereadora, como candidata de oposição ao governo atual. “Sempre digo que estou aqui para representar as mulheres e representar o povo. Não tenho intuito como vereadora de aumentar a minha renda, porque senão eu não tiraria a metade e doaria para as comunidades carentes. Foram votos de coração porque não teve cesta básica, não teve dinheiro. Prometi a população trabalho, honestidade e ajudar no que eu conseguisse”, exaltou a parlamentar.

Professora Angélica explica que o andamento da Casa Legislativa é bem diferente do que ela imaginava e pontua uma situação vivida por fazer parte da bancada de oposição. “É bem diferente, um exemplo foi as comissões, onde um vereador chegou para mim e disse que eu não poderia participar de uma determinada comissão por que não iria conseguir ajudar a comunidade por fazer oposição ao governo. Por isso que quando as pessoas me criticam por eu fazer vídeos e eu digo que eles estão fazendo efeito. Hoje eu agradeço a secretaria de educação de Camaçari que fez uma reforma completa na escola Montenegro, na Cascalheira, após eu denunciar a situação em meus ‘videozinhos’. O colégio a 12 anos funcionando em uma casa alugada de forma precária. Nem o PT fez e nem o azul fez, e eu disse a secretaria que precisava que fosse feita uma reforma o quanto antes”, contou a vereadora.

A parlamentar que integra o quadro de novos vereadores, acredita que o parlamento precisa ainda mais de ‘sangue novo’. “Tem que mais renovação. Eu consegui mesmo sendo considerada contra o governo, mas na verdade eu mostro as dificuldades, e tenho certeza que se todos os vereadores, mesmo sendo da base, pedir, for pra cima, estar o tempo todo mostrando os problemas a gente consegue mudar essa realidade sim”, pontuou.

Sobre seu reduto político, por ter um instituição educacional privada no bairro da Gleba B e outra em Vila de Abrantes, a vereadora destaca que foi eleita para todo o município. “Eu não tenho base e não tenho área, apesar de ser educadora, vou na saúde, a educação, no social, estou fiscalizando tudo. Peço a Deus todo dia que me der humildade e sabedoria, para poder eu chegar onde tenho que chegar e ajudar o meu povo. Nada vai me calar, eu fui eleita para representa-los. Ninguém segura uma mulher segura”, finalizou.

ISB

Através do Instituto Social Bitencourt (ISB), a vereadora tem ajudado famílias carentes, que buscam por serviços de saúde e outras demandas. Na entidade sem fins lucrativos, são ofertados diversos cursos, além de exames como ultrassonografia, consulta com médico clinico, atendimento jurídico, contábil, tudo de forma gratuita.

Mais de Política