Qual será o futuro do nosso Brasil?   

 

Foi com grande indignação e enorme tristeza, que tomei conhecimento de uma situação que a cada dia se agrava em nosso país, e que piora a cada momento, e, quando nós vemos a tentativa por parte deste atual governo federal, de promover uma total destruição das nossas instituições democráticas, nossos direitos sociais protegidos pela Constituição de 1988, bem como, a tentativa de destruição de uma de nossas maiores riquezas, o nosso meio ambiente. 

Com o intuito de promover ataques as instituições democráticas do Brasil, como já eram esperadas, pois, o perfil do presidente, que não era desconhecido da maioria dos brasileiros, e mostra-se a cada dia à vista de todos, com a clara intensão de promover uma destruição nas bases democráticas do país, o atual presidente do nosso Brasil, junto com a sua caterva, “passou de vez o Rubicão”; com a intensão de por em prática o seu projeto maléfico de destruição da Democracia, e implantar uma Ditadura, buscando envolver as Forças Armadas no seu plano malvado, usar as polícias militares como a sua milícia. A clara intensão de usar as instituições de Estado para colocar em prática o seu plano Nazifascista, isso no conceito brasileiro. 

Outro fator determinante para entendermos tudo isso, é a derrocada da educação que vem ocorrendo no nosso Brasil. Entre 2007 e 2020, e continua neste ano de 2021, onde mais de 14 milhões de estabelecimentos escolares no Brasil pararam de oferecer Educação de Jovens e Adultos (EJA), e as matrículas tiveram uma queda em torno de 1 milhão e 800 mil, conforme estudos das universidades federais de Goiás e do Paraná, nos estados aconteceu uma verdadeira destruição das instituições que promovem essa modalidade educacional, uma grande injustiça, haja vista, que no país, há mais de 38 milhões de jovens e adultos que são incapazes de entender textos e operações matemáticas simples, (como mostra o resultado de várias pesquisas), os nomeados de analfabetos funcionais, e destes, 11 milhões não conseguem reconhecer as letras. Mesmo com essa estatística triste, o governo federal vem patrocinando um verdadeiro desmonte na educação pública do nosso país, e a já Combalida educação, fica cada vez mais em uma situação pior, com o fechamento e sucateamento dos postos que abrigam a forma desse ensino alternativo. 

Como forma de se reparar a injustiça cometida desde o tempo da colonização em nosso país, é que foi criado um plano educacional, a (EJA), onde seu expoente máximo foi o educador Paulo Freire, este sistema, de Educação para Jovens e Adultos está sendo destruído pelo governo atual, mesmo essa garantia estando prevista na Constituição Federal, em seu artigo 208, inciso I, entretanto, essa garantia não tem sido respeitada.  

Como forma de destruir os alicerces do projeto, uma das estratégias utilizada pelo governo, é a redução das verbas públicas para esse setor, assim como, o fechamento de órgãos que atuam no controle e administração deste sistema, como exemplo, a SECADI (Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão), era o órgão responsável pela execução do EJA, bem como, dos alunos com necessidade especiais ou com deficiência no Brasil e que foi extinta em janeiro de 2019, com a nítida intensão de enfraquecer o projeto de alfabetização de jovens e adultos em nosso país. 

Em vários estados do Brasil, está se executando uma completa destruição das bases educacionais, um desmonte total, um exemplo claro de que há, por parte desta gestão no ministério de educação, o interesse em realizar uma verdadeira aniquilação dos alicerces educacionais em nosso país, como podemos observar no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM), uma completa incompetência no gerir das nossas entidades educacionais, aliás, vemos claramente essa incapacidade e um desejo maligno de destruir a educação pública, em todos os setores geridos por esse governo. No entanto, sabemos que, “Mais Educação chama mais educação”. Ainda, a não autorização de abertura de novas turmas da EJA, por parte do governo federal, causa um verdadeiro colapso, no desenvolvimento desta forma de educação, e isso não tem nada a ver com a pandemia. 

Essa situação tem causado um grande prejuízo aos que precisam dessa modalidade de ensino, haja vista, a previsão constitucional, que dentre outras coisas, além de a educação, ser uma obrigação do estado e um direito de todos os residentes no Brasil, como preceituam os artigos 6º, 205 da CF, também a preservação ao direito à educação a todos aqueles que, em seu tempo normal, não tiveram a oportunidade de acesso, conforme base legal expressa citada anteriormente.  

Igualmente, também acontece com o ensino infantil, há uma proposta do governo, apoiada pela comunidade, dita evangélica do nosso país, que quer implantar a educação domiciliar, ou seja, ensino no lar, a chamada homeschooling (significa ensino domiciliar) ou unschooling (significa desescolarização). A intenção do governo é aprovar esse sistema até julho deste ano, e com isso extinguir o ensino tradicional. Claramente esse movimento acena para o que deseja as entidades ultraconservadoras dos seguimentos religiosos, no sentido de formar um grupo “puro” para a construção de uma ideologia puramente pregada e defendida pelos meios religiosos. Vemos tudo isso com grande preocupação, isso por que, entendemos que haverá um prejuízo para essas crianças e jovens, haja vista, a falta de condições de muitos pais, em fornecer um ensino de qualidade, como os que são prestados nas escolas, e que venha oferecer à criança um aprendizado, que não contemple a necessidade dela, em sua formação educacional que seja minimamente condizente com a sua necessidade intelectual. 

Como se não bastasse, outro fato que nos coloca em uma situação de sinuca, como temos visto e ouvido nesses tempos, é o que está acontecendo com as nossas florestas e em especial a floresta Amazônica, que é o nosso orgulho, e considerada o pulmão do mundo. Nos últimos anos acompanhamos um ataque criminoso, praticado por parte deste governo, basta observarmos os diversos casos noticiados ao longo destes anos, em que de forma deliberada, esse governo tem atuado na intenção de realizar um verdadeiro desmonte nas instituições e nos órgãos fiscalizadores, que ao longo de vários anos, vem conduzindo as diretrizes de nossas florestas bem como de toda a nossa biodiversidade, fauna, flora... E com os acontecimentos ao longo desses anos de 2019, 2020 e que continua em 2021, são várias as evidências, que me leva a entender desta forma.  

Esses são apenas alguns dos desmandos, que estão sendo praticados por este que não tem sido nada mais, nada menos, que um completo desgoverno e não tem outra forma de qualificar, esse grupo que aí está, e que além de ter se mostrado completamente incompetente, apresenta um alto grau de descompromisso com o povo brasileiro e em especial com os seus direitos adquiridos ao longo de séculos. 

Ademais, devido à importância e a gravidade das informações aqui apresentadas, esclareço que tudo isso que aqui apresento, são fatos públicos e largamente publicados em vários veículos de comunicação.  

Vamos continuar vigilantes! 

 

Paulo Santana 

Fonte: Rede TVT, seu Jornal 

Mais de